MAXIMIZE O ROI

Ônibus, carros e até mesmo motoristas viraram fontes de dados; empresas de transporte de passageiros, locadoras de veículos, estações de embarque/desembarque e oficinas armazenam um sem número de informações de seus clientes, veículos, fornecedores e operações comerciais; milhões de sensores monitoram o percurso de um passageiro até seu destino final: celulares, GPS, câmeras de segurança, pedágios e semáforos sensoriam, criam e trocam dados remotamente na “Internet das Coisas”. Grandes volumes de dados (Big Data) são agora capturados, transferidos, agregados, armazenados, analisados e fazem parte de operações complexas de gestão de frotas de veículos.

Com a tecnologia de sensoriamento disponível atualmente já é possível coletar centenas de informações acerca de veículos por meio das interfaces CAN 2.0B OBD-II ISO 15.765-4 e FMS (velocidade; consumo de combustível; temperatura do líquido refrigerante do motor; pressão de combustível; carga calculada do motor; etc). Outros sensores como GPS, acelerômetros e sensores de ignição fornecem também uma infinidade de informações mas que não são devidamente coletadas, armazenadas e tratadas eficientemente para auxiliar as tomadas de decisão complexas para otimizar o retorno do investimento em manutenção, operação e expansão de frotas de veículos.